As Crianças Crescem, e as Tradições Mudam, Mas o Espirito do Natal Permanece

A casa já esta pronta para a festa.

No Brasil a noite do dia 24 de dezembro é amplamente celebrada. É na véspera do Natal que os brasileiros ceiam a trocam presentes. Aqui nos Estados Unidos os costumes são diferentes. Algumas famílias até se reúnem para um jantar em família, outras vão à missa, mas a grande celebração para as crianças acontece na manhã do dia 25. Pois durante a noite, enquanto as crianças dormem, o Papai Noel desce pela chaminé da casa (se a casa não tiver chaminé ele entra pela janela mesmo) com seu saco de presentes e os arranja ao redor da Árvore de Natal, então ele come o cookie e bebe o leite que as crianças deixam preparados numa mesinha próxima a árvore, e parte para a próxima casa. Não é de se espantar que ele seja tão fofo, bebendo leite e comendo cookies em todas as casa do mundo como faz.

Aqui as missas de Natal do dia 24 são bem lotadas. No dia seguinte, 25 de dezembro, a criançada acorda e pula da cama animadíssima, corre para a sala e se põe a abrir presentes. Após a abertura dos pacotes, toma-se um lauto café da manhã com ovos, bacon e panquecas, pula-se o almoço, e vai-se direto para o jantar, servido cedo. Os pratos principais são, em geral, peru, presunto defumado (aquele que chamamos de tender no Brasil), pato assado, e pequenas aves como perdizes. Os acompanhamentos tradicionais incluem algum tipo de geleia agridoce como a de cranberry, purê de batatas, legumes grelhados ao refogados, e saladas. E as sobremesas sempre incluem brownies e cookies para as crianças.

Quando nossas filhas nasceram decidimos manter nossos hábitos brasileiros. Então, aqui em casa enquanto as meninas acreditavam em Papai Noel, nós jantávamos tarde, meu marido escapava para se fantasiar de Papai Noel e quando eu levava as crianças para a sala ele estava lá sentado, suando, pois morávamos na Florida onde os invernos são quentes como os do Rio de Janeiro. Ele abria seu saco de presentes e chamava as meninas que se sentavam no colo dele e ficavam encantadas, nem davam pela falta do pai. Com os anos elas passaram a perguntar: “Cadê meu pai.” Até que se tocaram, e agora a família toda é Papai Noel para as crianças das entidades que nós ajudamos todos os anos.

Eu ensinei as meninas que o Papai Noel é uma representação do espirito de bondade e caridade, que todos que podem devem ter para com os que precisam, e não apenas nesta época. Assim, além das doações que fazemos no decorrer do ano, em dezembro cada uma das meninas adota uma criança do orfanato mantido pela escola onde elas estudam. É uma entidade muito especial chamada “My House – Minha Casa”, que cuida de crianças com problemas de saúde cujas famílias não tem condições de assumir, por falta de dinheiro e/ou de estrutura, muitas vezes essas crianças são tiradas das famílias por maus tratos, e são encaminhadas à “My House” por estarem subnutridas e com sérios problemas emocionais, quando se recuperam retornam às famílias ou são encaminhadas para um orfanato convencional. Pegamos a lista de necessidades de duas crianças e montamos os pacotes, que são entregues pessoalmente pelos alunos da sexta série, todos os anos.

As listas incluem itens básicos, como artigos de higiene pessoal, pijamas, meias e chinelos, e vai até brinquedos adequados à idade e ao desenvolvimento de cada criança. Para algumas crianças, com problemas de saúde mais graves, a entidade pede dinheiro para a compra de medicamentos e descartáveis, quando é assim, fazemos um envelope com o dinheiro. Em ambos os casos as crianças escrevem cartas para acompanhar os presentes. Desta maneira, meu marido e eu vamos ensinando nossas filhas a pensarem no próximo, e serem, elas mesmas, representantes do Papai Noel.

Por que Mitt Romney perdeu a eleição?

A contagem ainda segue, pois o sistema americano de votação é manual, mas os resultados já são incontestáveis. Obama ganhou com 303 contra 206 votos eleitorais, e até o momento (13:45 horário de Atlanta no dia 7/11) Obama conta com 50,4% dos votos populares válidos contra 48,1% para Romney, ou seja, uma diferença de 3 pontos percentuais nos votos populares. Para os padrões americanos, foi uma verdadeira lavada! Ou como eles dizem aqui: os republicanos levaram um shellack!

Harper Weekly 24-3-7 (02varvarawordpress.com)

Mas por que?

Na minha modesta opinião, simplesmente porque o pior cego é aquele que não quer enxergar.

Foi por isso que os Republicanos perderam a eleição presidencial ontém, além da lavada no senado e de várias emendas constitucionais estaduais, como por exemplo a legalização do uso medicinal da maconha em Massachusetts, e em Washington e no Colorado até para uso recreativo; e a derrubada da emenda constitucional estadual em Minnesota que dizia que casamento só pode ser lavrado entre um homem e um mulher.

Sem contar o discurso retrógrado que eles praticam, e as leis antiquadas que implementam:
- não cobrir custos para exames relacionados a saúde feminina, como ultrassom transvaginal, e não distribuir pílulas anticoncepcionais e camisinhas para a população carente;
- não apoiar a lei que determina que os salários de homens e mulheres exercendo o mesmo cargo devem ser equiparados;
- e com relação a imigração, implementando leis de imigração restritivas e preconceituosas nos estados onde são governo. Só para citar os mais óbvios.

Como consequência, Obama recebeu 93% dos votos dos african-americans, 71% dos latinos, 72% dos asiáticos, 55% dos votos femininos, e entre os jovens, que ao contrário das previsões votaram em massa, Obama recebeu 60% dos votos.

O Partido Republicano está parecendo a igreja católica se segurando em valores ultrapassados como a proibição do planejamento familiar; sem contar negação, enquanto a igreja diz que não existe padre pedófilo de verdade, foram apenas desvios, os republicanos dizem que os problemas das minorias não precisam ser enfrentados pois são apenas minorias, a política do “trickle down” dá jeito.

Romney recebeu 60% dos votos dos homens brancos casados, e 60% dos brancos católicos, na contagem geral ele ficou com 53% dos votos dos brancos.

O problema com estes números para o Partido Republicano é que a sociedade americana está cada vez mais diversa, e se eles seguirem tentando agradar somente os americanos brancos com renda alta, nunca mais ganham uma eleição.

allthingsdemocrat.com

Para quem lê em inglês este artigo vale a pena – As 10 principais razões para a derrota de Romney que conclui: The electorate has gotten wise to the Republican Party; they understand that they are radical conservatives — out-of-touch with the middle class. Ultimately, that’s why Romney lost. It indicates that no Republican presidential candidate would have been electable.

Eleição 2012 nos Estados Unidos

Assim como no Brasil, e como a maioria dos meus amigos já devem saber, este ano temos eleição aqui nos Estados Unidos também, e o debate segue acirrado.

Porém, aqui não temos vários partidos, apenas dois:

o Republicano, partido conservador de direita, que propõe o corte de impostos das empresas, e dos empresários, e diz que o mercado deve ter a liberdade de se auto-regular, em linhas gerais os republicanos defendem os direitos das classes dominantes, eles pregam o “trickle down policy” que diz que se as classes dominantes estão bem, a riqueza vai “pingando para baixo”;

e o Democrata, partido liberal de esquerda, que é a favor de recolher mais impostos dos mais ricos para oferecer melhores serviços à população em geral, e acredita que o mercado financeiro precisa de regulamentação para não voltarmos a ter crises como a que passamos recentemente e da qual, na verdade, ainda estamos tentando sair.

Curiosidade: o símbolo do partido republicano é o elefante, e o do democrata é o burro.

O país é dividido, e as eleições costumam ter resultados apertados. Principalmente porque os republicanos enfatizam suas campanhas em valores conservadores que ressoam com metade da população, como leis contra o aborto e contra a união entre pessoas do mesmo sexo. E tem uma porção de americanos que pensam que os gays vão contra a vontade de Deus, e até que óvulos e espermas, mesmo que separados já constituem vida, pois é, tem um pessoal bem radical aqui, e que sabe fazer alarde.

Os democratas querem retirar isenções de impostos dos mais ricos, aproximadamente 2% da população de acordo com as declarações de impostos recentes. E durante seu primeiro mandato, o Presidente Obama repeliu a lei “don’t ask, don’t tell” para os gays que queiram servir no exército, e que quer dizer, se suspeitar não pergunte e é bom o fulano não se manifestar. Hoje em dia homens e mulheres gays podem servir o exército livremente, sem esconder quem são de verdade. Coisa assustadora para muita gente.

Os democratas também costumam ter uma visão mais aberta com relação a imigração, o que não cai bem com muitos americanos, mais ou menos metade de população. Enfim só com este poucos exemplos pode-se ter uma idéia da batalha acirrada que terá seu desfecho no dia 6 de novembro. Porém o resultado não sairá por vários dias, pois aqui ainda se conta boleta de papel.

Passar Férias de Julho em São Paulo É:

Só dava nós, caminhando pela praia num dia fresco, em pleno mês de julho.

Longas caminhadas na praia; rever velhos amigos; estar com a família; carinho de mãe, pai, irmãos, tios, avós; comida de mãe, tia, avó; requeijão Poços de Caldas; pizzarias paulistas; dirigir a noite pela cidade relembrando os caminhos por onde passei milhares de vezes, sempre estressada a caminho do trabalho, sem perceber sua beleza; o restaurante DOM para comida brasileira elevada à obra de arte; pães de queijo, coxinhas de frango, empadinhas de camarão e palmito, enfim, salgadinhos bem brasileiros, de preferência acompanhados de uma cervejinha bem gelada; ver as crianças brincando com os primos e os filhos dos velhos amigos, e conversando em português; pé de moleque, brigadeiro, beijinho, cajuzinho, bananada, paçoca, tapioca, curau de milho, pudim de leite, manjar branco, bolo nega maluca, pão-de-ló de laranja e leite, todos os doces deliciosos da minha terra acompanhados de um cafezinho, um chazinho, ou até um suquinho de mamão com laranja; requeijão Catupiry; assistir a jogo de futebol entre amigos e parentes, ver meu marido fazer um gol, e dedicá-lo a mim (coisa de brasileiraço mesmo); ver as crianças jogando futebol no meio dos adultos, e gritando: passa a bola pô, que fominha – com sotaque estrangeiro; a galera jogando vôlei a manhã inteira, e depois gemendo a tarde toda, mas cheia de bom humor, aplacando o desconforto com caipirinha; cochilar na rede; caminhar no meio do mato até a beira do rio, e passar o resto do dia se queixando das picadas de borrachudo – caipirinha também ajuda nessas horas; o céu azul turquesa encontrando o mar no horizonte; doce de leite; doce de leite com queijo fresco; restaurantes árabes, italianos, portugueses, japoneses, espanhóis, culinária internacional executada à perfeição nos restaurantes maravilhosos de São Paulo; simpatia; um churras entre amigos; o restaurante Manacá em Camburi; festa julina; assistir um filminho na sala, com a lareira acesa, tomando chocolate quente; feijoada; arroz carreteiro; ver os amigos e familiares prosperando na cidade vibrante; conversar até não aguentar de sono; assistir final de campeonato de futebol em casa de parentes e amigos, e torcer junto até ficar rouca; a doceira Cristalo, a Brunella, o Amor aos Pedaços, a Copenhagen, agora tem até Ladurée em São Paulo, e muitos outros recantos deliciosos para a hora do cafezinho; encontrar os amigos na hora do cafezinho; catar conchinhas na praia; a bacalhoada da minha mãe; bolinhos de bacalhau; andar de shorts e camiseta em pleno inverno; ver as crianças “ajudando” as avós na cozinha; ver minhas filhas provando as comidas da minha infância; molhar os pés na água do mar vestindo roupa de verão, enquanto os locais usam agasalhos e olham para nós como se fossemos loucos de pedra; passar frio dentro de casa à noite.

Cafezinho com delicadeza em doceira paulista.

Acho que cobri o básico, se você pensar em algo mais, por favor acrescente nos comentários.

Quanto desperdício….

O problema do desperdício em geral é o emprego de recursos, caros e escassos, para se produzir bens que não são usados ou consumidos. Além disso lixo é custo, não só ambiental, mas financeiro também: o caminhão do lixo e as pessoas que trabalham para recolhê-lo custam dinheiro aos cofres públicos e aos cidadãos.

Desperdiçar alimentos é uma insanidade, de um lado porque boa parte do planeta ainda não tem uma nutrição adequada ou mesmo acesso à comida. E por outro lado, é um “tiro no pé”, pois se o que compramos no supermercado vai para o lixo, por que compramos?

Jogar alimentos fora é uma insanidade

Especialistas no assunto discutem a “cultura do desperdício” e procuram respostas a perguntas como: como chegamos a isso? como podemos reduzí-lo? Quando, por exemplo, 40% da batata colhida apodrece ou, na melhor das hipóteses, é dada aos porcos ou metade da produção de 20 milhões de toneladas de alimentos é jogada ano após ano no lixo, então algo definitivamente está errado.

A organização para alimentos e agricultura da ONU examinou o fenômeno do desperdício de alimentos globalmente e notou grandes diferenças regionais. Na América do Norte e Europa é onde se joga mais alimentos fora (280 – 300 kg por ano, por habitante), seguidos da Ásia e América Latina. Na região subsaariana e sudoeste da Ásia são apenas 120-170 kilos per capita anualmente.

A Revista Galileu fez a análise da situação no Brasil:  http://www.youtube.com/watch?v=uwXcErXvp1E

O estudo “Save Food”,  feito pela empresa Cofresco (dona da marca “Toppits”) fez algumas descobertas interessantes sobre nossos hábitos no que tange o desperdício de alimentos. Foi identificado o percentual de alimentos que vão para o lixo, de acordo com categoria: frutas e legumes (48%), restos de refeições e produtos prontos (15%), pães (14%), carne, peixe e derivados de leite (11% cada).

E existem diferenças no comportamento dos consumidores de acordo com a faixa etária. Especialmente os grupo de pessoas até 39 anos e com nível de escolaridade alto jogam mais alimentos fora. Quem ganha mais, desperdiça mais. Parece lógico? Ou seria lógico o contrário?

Há quem defenda que hoje as pessoas não têm uma ligação com os alimentos como tinham no passado, tornando o ato de jogar fora comida uma atitude corriqueira. Uma comparação interessante foi feita com a energia elétrica: ela vem da tomada enquanto nossos alimentos vêm do supermercado…

O consumidor subestima o próprio desperdício de alimentos sistematicamente. Os entrevistados no estudo disseram que sabiam que parte do desperdício de alimentos feitos por eles poderia ser evitado se comprassem com mais consciência. Mas a propaganda e promoções nos pontos de venda fazem com que comprem alimentos que nem precisariam… Os pesquisadores estimam que através de um melhor planejamento e acondicionamento das compras em casa cerca de metade do lixo pode ser evitado.

Acredito que seja uma combinação dos dois. Para ajudar a fazer nossa relação com nossos alimentos ficar um pouco mais “humana”, passo algumas dicas minhas e de especialistas de como contribuir para a diminuição do desperdício:

1-    Planeje suas idas ao supermercado. O que e a quantidade do que se compra determina o que e quanto vai ser jogado fora depois… Os lares alemães jogam 21% de tudo o que compram no lixo, o que representa 300 euros e 80 kilos por ano, por cabeça. E o que é pior: quase 1/3 disso nem foi aberto…

Controle o que você põe no carrinho do supermercado!

2-    Alimento vencido não significa alimento estragado. Verifique se ainda pode ser consumido usando seus sentidos: visão, olfato, tato e paladar. Só então descarte.

3-    Utilize os restos de refeições e procure cozinhar em quantidades “porcionáveis”. Congele, por exemplo, os pãezinhos que não vão ser usados no dia (o pão assado congelado fica como fresco depois de descongelado) ou faça torradinhas.

4-    Ensine às crianças a comer o que (elas mesmas) põem no prato, e faça o mesmo!

5-    Consuma sustentavelmente:

  1. compre produtos sazonais e regionais, e em lojas locais
  2. compre mais produtos frescos
  3. coma menos carne, porém de melhor qualidade
  4. use meios de transporte sustentáveis para as compras
  5. reduza ao máximo as idas ao restaurante (eles são grandes fontes de desperdícios)
  6. procure consumir alimentos orgânicos
  7. procure saber como seus alimentos são produzidos e faça escolhas conscientes
  8. tenha eletrodomésticos eficientes
  9. cozinhe economizando energia
  10. use fontes de energia renovável

6-    Procure comprar direto do produtor

7-    Plante para si mesmo, por exemplo temperos, legumes e frutas

Utilize espaços ao seu redor para plantar alimentos

8-    Utilize áreas urbanas para plantação de alimentos

9-    Influencie politicamente através do seu consumo

Hoje começa a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Participe, informe-se, reeduque-se. Sempre é tempo.

Para saber mais sobre o Save Food (link em alemão):

http://www.cofresco.de/de/unternehmen/save-food.html

Para saber mais sobre o desperdício de alimentos no Brasil:

http://super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/sobrou-no-prato-veja-6-dicas-para-evitar-o-desperdicio-de-comida/

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/conteudo_419178.shtml

 

Somente leis conseguem igualdade de direitos?

Realidade em outros países da Europa (França, Bélgica, Holanda e Itália desde 2011 e Espanha desde 2007), a discussão em torno da introdução de cotas para mulheres nos conselhos de administração e posições de liderança chegou com força aqui na Alemanha.

Emancipação só se consegue com leis?

A cidade-estado de Hamburgo está propondo um projeto de lei que obriga empresas a terem 40% de mulheres em conselhos de administração das empresas negociadas em bolsa. Há um complemento de projeto que quer que o sistema de quotas seja estendido também ao comando executivo das empresas. Atualmente o percentual é de quase 18%.

A chanceler Angela Merkel é a favor de uma “cota flexível”, em que empresas se declarem favoráveis à causa e cada uma implemente por si. O que não se entende é porque não pode haver uma mistura das duas: cota obrigatória nos conselhos e cargos executivos e flexível nos demais cargos de liderança?

A discriminação por parte dos homens, controle do Estado, violação do princípio da premiação por resultados são os principais argumentos dos que são contra à quota. Muitas mulheres não estão igualmente de acordo, pois querem ser contratadas e promovidas pelas sua capacidade. Uma posição compreensível, mas errada, afirmam alguns especialistas. A história da emancipação ensina que, sem leis concretas e ofensivas não há progresso nessa área. Como exemplo tem-se a reforma na lei do divórcio de 1977 e a lei da custódia de crianças, que só então garantiram os direitos  das mulheres nos casos de separação.

A adesão de “livre e espontânea vontade” das empresas não trouxeram progressos significativos e a introdução de cotas é a única maneira de quebrar a “cota dos homens”, diz um artigo do Süddeutsche Zeitung, uma vez que esse tratamento igual é dado numa base desigual devido a situação familiar de mulheres, ou seja, elas ainda têm outras obrigações familiares que os homens não têm. “Não adianta as mulheres poderem tudo na teoria, elas precisam poder também na prática”.

O impacto nos conselhos e na direção das empresas será grande. Mas não só lá. O aumento da participação feminina deverá alterar também a politica de pessoal nas companhias: mulheres irão estimular o desenvolvimento profissional de outras mulheres. Elas poderão modificar as culturas corporativas de maneira positiva, como na Noruega, que desde 2008 também já conta com a quota nos conselhos de administração, diz a matéria.

Mais mulheres em cargos executivos implica mudanças no ambiente corporativo

“É inaceitável que mais de 40% dos formandos em cursos superiores são mulheres, que em parte têm aproveitamento acadêmico melhor do que dos homens, e ao final da carreira isso se dilui. A Alemanha não pode se dar ao luxo de perder essa preciosa força de trabalho.”, diz a presidente da organização das empresárias alemãs a um jornal.

A União Europeia está querendo ir pelo mesmo caminho: até 2020 deve haver pelo menos 40% de mulheres nos conselhos de administração das corporações na Europa. No verão deverá ser feita a sugestão pela Comissária de Justiça, seguidos de 3 meses de discussão aberta, o que deve acabar em maio de 2013. A decisão foi tomada porque, ao seu ver, as intenções trouxeram poucos resultados práticos.

Mas o que acontecerá então com os homens? O jornal FAZ publicou um artigo em que é colocado que os homens entre 30 e 45 anos estão ameaçados de verem suas promoções virarem fumaça, pois não há tantos cargos de direção assim disponíveis para absorver tantos homens preparados…. Os tempos estão difíceis, e a previsão é de que vai ficar pior. Se as quotas realmente forem aplicadas, quase nenhum homem será promovido a alta gerência nos próximos 5 anos. Dois degraus antes da diretoria executiva existem normalmente 85 a 90% de homens brigando por uma vaga.

Abertamente, quase nenhum homem reclama. Quem quer ser taxado de tirar os direitos das mulheres? Eles então se fecham, enterram seus planos de carreira, perdem a motivação. Especialistas prevêm resignação, medo e cinismo dos homens no ambiente de trabalho como o próximo grande problema. Na Deutsche Telekom, por exemplo, onde foi determinado uma cota que 30% para mulheres, um funcionário disse que dois fatores contam para uma promoção na empresa: tempo de casa e sexo. E ele é homem….

Há, entretanto, outros meios de se fazer crescer a participação de mulheres nos cargos de direção: estender a oferta de instituições de assistência a crianças é fundamental, dedução no imposto de renda dos custos com o cuidado e assistência aos pequenos, aumento de oferta de trabalhos em período parcial e flexibilização do local de trabalho dos homens estimulam o pai E a mãe a irem ao trabalho.

Complementando, há algum tempo li sobre a forma que as mulheres encaram o trabalho. A reportagem citava o exemplo de mulheres que desistiram de suas carreiras corporativas por não se sentirem compensadas pelo tempo que passam longe de seus filhos e buscavam ocupações alternativas que incorporassem a nova situação familiar. Também foi citado o “jogo de poder” que existe em muitas empresas nos altos cargos executivos e que muitas mulheres se negam a jogá-lo.

Por outro lado foi mencionado que a maioria de homens faz muitas vezes o ambiente corporativo ser competitivo e “masculino” demais para muitas e que nós precisamos aprender a se impor nesse ambiente, não só em termos de apresentação pessoal, mas também na forma de comunicação.

Mas será? E será que a adoção de cotas pode aumentar a pressão para que se resolvam os outros problemas que impedem as mulheres de subirem na carreira ou é simplesmente uma lei que faltava? Ou vai causar mais problemas do que soluções? Que alguma coisa precisa mudar no sistema, precisa.

Leia também:

Executivos brasileiros não querem cotas para mulheres nos conselhos administrativos.

Quotas for Women

 

 

Copos Gigantes de Refrigerante Banidos da Cidade de Nova York

Um projeto de lei na cidade de Nova York está gerando bastante polemica aqui nos Estados Unidos. O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, acaba de conseguir aprovar uma proposta para um processo experimental de três meses, que bane copos que comportam mais que dezesseis onças (16 oz) – o equivalente a 473ml, quase meio litro, de serem servidos nos restaurantes, bares, lanchonetes, lojas de conveniencia ou barraquinhas de rua da cidade. http://www.cnn.com/2012/06/12/justice/new-york-soda-ban/index.html

Copinho discreto de refrigerante facilmente encontrado nos Estados Unidos. Haja sede!

Um copo de meio litro de Coca-Cola me parece imenso, mas aqui a maioria das cadeias de lanchonetes tipo fast-food como McDonalds, e vários restaurantes, oferecem copos que comportam até quarenta e duas onças (42 oz), ou seja 1,250 litros, como porção individual de refrigerante, refresco ou cerveja.

Não foi sempre assim, as porções foram aumentando sistematicamente no país nos últimos quarenta anos. Na década de cinquenta as porções americanas eram equivalentes as porções brasileiras. Conforme mostra o gráfico no artigo do Huffington Post, The New (Ab)Normal Portion Sizes: Today x In The 50s http://www.huffingtonpost.com/2012/05/23/portion-sizes-infographic_n_1539804.html

Este prato do Cheese Cake Factory chama-se Chicken Bellagio, e é uma delícia. Mas como você pode ver é enorme, uma porção generosa de espaguete ao pesto, dois filés de frango a milaneza, prosciutto, e rucula. Eu dividi esta travessa com minhas filhas e todas comemos muito bem. Detalhe, esta é considerada uma porção individual.

Quando eu mudei para os Estados Unidos paguei vários micos até aprender a escolher o que pedir quando saia para comer. As porções consideradas individuais aqui são ridiculamente grandes, como vocês podem ver na foto ao lado, e eu aprendi a fazer uma coisa que não pega bem no Brasil, mas é perfeitamente aceitável aqui. Eu trago o que sobra de comida para casa. A não ser em restaurantes ultra sofisticados, que eu frequento esporadicamente, e que costumam ter porções mais razoáveis, a não ser os de menu fixo como o Per Se em Nova York, a grande maioria dos restaurantes aqui embalam o que não foi consumido para levarmos para casa. Na verdade eles estão tão habituados a isto que ao final da refeição, quando eles não perguntam se você quer caixinhas para embalar sua própria comida, eles mesmos embalam, e te trazem a sacolinha com o logo do restaurante cheia de caixinhas, com todas as sobras da sua refeição, junto com a conta. Na verdade, se você deixa bastante comida no prato e diz que não vai levar para casa, eles perguntam se há algum problema com a comida. Eu estou tão acostumada ao sistema que hoje em dia pego minha sacolinha e saio andando numa boa, no dia seguinte o almoço está garantido, nada de desperdício.

Esta fatia de bolo é gigante. Compartilhei este delicioso "Chocolate Fudge Cake", novamente do Cheese Cake Factory, com minhas duas filhas, de nove e treze anos que adoram doces, e ainda deixamos um quarto do bolo e do chantili no prato. E eu não quiz trazer o que sobrou para casa, o garçon ficou surpreso.

Outra coisa que eu também faço que já não é tão comum, surpreendentemente, é pedir um prato para compartilhar com as minhas filhas ou meu marido. As vezes pedimos apenas dois pratos e dividimos entre os quatro. Já causamos surpresa a vários garçons com esta prática.

No entanto uma grande parte da clientela realmente consome estas porções gigantescas em uma refeição. O que me faz compreender a iniciativa do prefeito de Nova York. O que ele diz é que não está proibindo ninguém de consumir quanta bebida açucarada quiser, mas que as pessoas terão que pedir mais copos para beberem 1.2 litros de Fanta, e quem sabe assim elas se conscientizarão da quantia que estão consumindo.

É claro que a Coca-Cola está em campanha contra a medida, e vários jornalistas estão dizendo que ela é contra a liberdade de escolha de cada um, quem não quiser beber tanto que não peça o maior copo, mas eu acho que ele está tocando num ponto real. Este copos gigantes viraram o padrão para muitos, que perderam a sensibilidade para o quanto estão consumindo.

A primeira vez que entrei num Starbucks levei vários sustos, primeiro eles servem café em copos e não xícaras, e o menor copo de café que eles servem chama-se tall – alto em inglês, e contém doze onças (12oz – 355ml) de café, ou qualquer das misturas que eles oferecem.  O menor café que eles oferecem é o short (8oz – 236ml), que não está no menu. Você precisa saber que existe para pedir, e eu não sabia. Joguei muito café fora até descobrir o short, e mesmo assim só vou ao Starbucks se tenho alguém com quem dividir um café. Ah, e eles só fazem bebidas quentes no tamanho short. Os cafés gelados, tipo frappés, são oferecidos somente de tall para cima, e vem com uma tampa redonda quase da altura do copo para conter o chantili, são bonitos de se ver. As outras porções oferecidas no Starbucks são: grande (16oz – 470ml), venti (20oz – 590ml), iced venty – venti com gelo (24oz – 710ml), e o espetacular trenta, tamanho exclusivo para cafés gelados (32oz – 946ml). Para colocar toda essa informação em perspectiva basta sabermos que a capacidade média do estomago humano é de 900ml como demonstra a ilustração no link do National Post: http://news.nationalpost.com/2011/01/17/graphic-how-big-exactly-is-starbucks-new-trenta-size/

O Starbucks passou a oferecer o tamanho trenta em 2011 para concorrer com lojas de conveniencia que oferecem copos de bebidas geladas entre 950ml a até o extraordinário volume de 1,9L. É realmente de impressionar.

Outra coisa que me espanta aqui são os baldes de pipocas vendidos nos cinemas, que vem, claro, com um gigantesco copo de refrigerantes. Até a porção infantil é enorme. Quando minhas filhas querem pipocas eu compro uma porção infantil para a família toda.

Baldinho de Pipoca

Num país onde mais de um terço da população é obesa (não fofinha, OBESA MESMO) – para detalhes cheque o link do Centers for Desease Control and Prevention (Centros para a Prevenção e Controle de Doenças) http://www.cdc.gov/obesity/data/adult.html, talvez Michael Bloomberg esteja no caminho certo.

Geração perdida

Há alguns dias li uma notícia que me preocupou muito: a geração dos jovens europeus de hoje foi chamada de “geração perdida”. Esse termo foi associado principalmente aos jovens espanhóis, mas também a outros da Comunidade Europeia. Hoje 46% dos jovens abaixo dos 25 anos na Espanha está desempregado. O responsável por um estudo recente concluído para as Nações Unidas sobre desemprego entre jovens, vê com preocupação o futuro deles: a geração de hoje perdeu seus empregos e não os vão ter de volta nos próximos 4 a 5 anos. Isso significa que esses trabalhadores perderão sua empregabilidade.

Ministro da Economia espanhol, durante uma conferencia em Madri

O governo espanhol anunciou uma série de medidas para diminuir os gastos públicos e flexibilizar o mercado de trabalho, além de aumento de impostos sobre o consumo e renda. A reforma do mercado de trabalho inclui um bônus para empresas que empreguem jovens e trabalhadores mais “maduros”. Detalhe: se estes forem mulheres, o premio é maior.

A Organização Mundial do Trabalho alerta porém os governos da região contra a possibilidade de “inquietude social”, caso os programas de ajuste não sejam combinados com medidas que resultem em aumento de oferta de empregos, o que causaria uma nova recessão no continente. E isso em plena Europa!

Jovens espanhóis protentando conta as reformas econômicas

Jovens das maiores cidades espanholas, como Madrid e Barcelona, foram às ruas protestar agora em maio. Há que se mencionar o motivo pelo qual os protestos ainda não escalaram. Especialistas apontam que os jovens não têm um partido com o qual se identificam, como o Partido Verde ou Pirata na Alemanha. Além disso, os mais atingidos pela crise é a pacífica classe média. Esse pacifismo é uma consequência da cruel guerra civil espanhola.

Um terço dos espanhóis entre 25 e 34 anos ainda moram com os pais (na Alemanha são 14%), o que significa que eles têm abrigo, mas nenhuma perspectiva. O que falta seria somente uma faísca para que haja uma explosão, afirmam sociólogos.

Uma pesquisa de opinião do instituto americano Pew Research com mais de 9000 pessoas nos Estados Unidos e 8 países europeus, entre eles a Espanha, concluiu que a Alemanha é ainda a nação europeia mais admirada e os seus dirigentes são os mais respeitados.

A dificuldade de arranjar trabalho está provocando uma onda de emigração sem precedentes, principalmente entre os acadêmicos. A Alemanha recebeu no ano passado 52% mais espanhóis e o Instituto Goethe teve na Espanha 60% mais matrículas em seus cursos de alemão do que em 2010. Fazia muito tempo que não ouvia a palavra “êxodo”. É o que está acontecendo.

Muitos dos que emigram conseguem trabalho, porem aquém de suas qualificações (a barreira da língua atrapalha). Como não têm perspectivas em seu próprio país, eles vão ficando na esperança de melhores dias. Uma história que ainda vai mudar muita coisa por aqui.

O veneno secreto em nossos pratos

Os alimentos processados dominam as prateleiras dos supermercados.

Esse foi o título de uma reportagem sobre a cadeia produtiva de alimentos na Alemanha publicada no Handelsblatt, o Jornal do Comércio alemão. Nos últimos tempos têm sido vinculados em diversos meios de comunicação aqui na Alemanha (revistas, internet, documentários na TV) extensas matérias sobre o tema. Uma delas, da revista semanal “Stern”, tinha o título “Por que nós fazemos isso?”, referindo-se ao fato de ingerirmos alimentos cada vez mais industrializados, com cada vez mais ingredientes que não conhecemos, não temos idéia nem do que se trata, muito menos sabemos dos seus efeitos a longo prazo.

A cadeia produtiva foi definida na matéria como “um sistema altamente subvencionado, composto por grandes produtores rurais, fábricas de animais (que são os grandes abatedouros), fabricantes de pesticidas, veterinários, produtores de sementes e empresas farmacêuticas”. Também foi tratado como insanidade a superprodução, e a cultura do “jogar fora” como um efeito colateral da própria superprodução, e que o crescimento brutal do segmento é feito às custas de quem não pode se defender sozinho: os animais e o meio ambiente. Parece a “teoria da conspiração”, pensei num primeiro momento. Mas, analisando-se mais a fundo, percebo que não há exageros.

O círculo vicioso tem como motor o estímulo ao consumo. As empresas empregam técnicas que lhes permitem aumentar a produtividade e baixar o custo de produção, o que é legítimo, e feito em qualquer outra indústria. Prejudicial é o fato desses produtos/aditivos serem usados em grandes quantidades e frequentemente, sem o controle adequado. É o caso dos antibióticos que teriam por objetivo proteger a saúde dos animais mas que estão causando graves problemas de saúde nos seres humanos: as bactérias superresistentes dos animais são ingeridas com a carne, gerando nos seus consumidores – NÓS MESMOS – resistência aos antibióticos. Ainda que aqui na Europa os produtos geneticamente modificados nem são permitidos…

Que a carne na Europa não tem sabor eu já sabia, novidade é o fato de ela ser de má qualidade. Pelo menos a carne brasileira tem sabor…

Como os grandes pecuaristas tratam os animais?

Surpreendente é que até hoje não há controle sobre o que os animais recebem de medicamento, em que regiões e em qual quantidade ao longo da vida. Pelo menos isso deve mudar num futuro próximo. Há previsão de que entre em vigor uma lei que obrigue os criadores a relatarem o que seus animais ingerem além de comida, ao longo da vida.

Também quando compramos alimentos industrializados, que contém conservantes, corantes, e realçadores de sabor como o glutamato monossódico, estamos acostumando nosso corpo a reagir de acordo com esses ingredientes. Explicando: quando consumimos temperos prontos, nossas papilas gustativas vão sendo “treinadas” para esse sabor. De repente um molho de tomate ou um feijão temperado “só” com ervas, cebola e alho (como nossas mães e avós faziam) passam a não ter mais gosto. Esse efeito é o que deseja a indústria de alimentos. Ela não deixa de colocar esses ingredientes nos seus pacotinhos (o glutamato foi proibido, mas outras substâncias continuam sendo usadas e têm o mesmo efeito), pois sabe que o consumidor pode se desacostumar deles. A situação fica mais cruel quando se trata de alimentos para crianças, mas isso é assunto para outra conversa.

Em um documentário da TV foi exibido um teste com uma família de 4 pessoas que comprovou essa teoria. Durante 4 semanas a família se propôs a não consumir nenhum tipo de produto que contenha corantes, conservantes, etc. A tarefa é extremamente difícil, pois nos supermercados europeus a diversidade de produtos é imensa e manter-se longe desses ingredientes é quase impossível. As prateleiras estão repletas de soluções mágicas…

Um especialista em alimentos ajudou a família nas compras e no preparo das receitas, que envolveu desde purê de batatas, massas, filés de peixe empanados, enfim, tudo o que vai do freezer ou geladeira direto para o forno ou frigideira. Até o iogurte foi feito em casa. Claro que na primeira semana as crianças acharam a experiência não muito agradável mas, ao final desse período, a filha mais nova passou a achar o iogurte da mamãe mais gostoso….

E você sabia que as saladas de pacote, aquelas prontas para o consumo, como as que são vendidas nas cadeias de fast food, não têm valor nutritivo quase nenhum? Isso acontece porque as folhas não devem ser cortadas, e sim rasgadas no sentido das veias, sob pena de perda de seus nutrientes.

Fazenda de cultivo orgânico de hortaliças.

Aqui na Alemanha há muitos chefs de cozinha que têm se envolvido com a causa. Certa vez, num programa sobre panificação, ouvi que o pão de saco fatiado de fábrica é um pão morto… Parece exagero, mas a diferença é clara: experimente cortar um pão fresco da padaria e pegue uma fatia do seu pão de torradeira. Compare. O aroma, a textura… nunca mais consegui comer pão de saco.

A cada dia torno-me mais consciente do que eu como, como eu como, quem produziu, e com que ingredientes… Porque no fim das contas, nós consumidores somos os prejudicados. Porém temos sim o poder de mudança. Só que para isso precisamos ter consciência e aplicarmos consequências.

Minha pretenção é compartilhar com meus leitores(as) informações sobre nossa alimentação. Nas últimas décadas nossos hábitos sofreram mudanças tão abruptas para as quais nosso organismo não está preparado biologicamente. O simples fato de não termos o ritual de preparo de nossas refeições é um exemplo. Ensinar as crianças a cozinhar, a participar do preparo, a escolher ingredientes e a mexer com eles é fundamental. Só assim poderemos reduzir os casos de obesidade, diabetes, e câncer que assolam a humanidade.

Tomates orgânicos apanhados mais pequenos.

“Você é o que você come”. A nossa principal fonte de energia, saúde e juventude é a alimentação, cuja importância tem sido sistematicamente colocada em segundo plano. Bom é o que é feito rápido? E que de preferência custe pouco? Eu já comecei a rever meus conceitos e convido você a fazer o mesmo. Tenho certeza de que há pontos em sua rotina que podem ser melhorados para aumentar sua qualidade de vida.

Se você souber alemão e quiser ler a reportagem na íntegra, com dicas de livros para continuar se informando, acesse o link:

http://www.handelsblatt.com/unternehmen/industrie/lebensmittel-produktion-das-giftige-geheimnis-auf-unseren-tellern/6629862.html

Brasil em guerra contra as grandes empresas de energia estrangeiras, será?

O Petróleo faz o mundo girar. Sob sua sombra negra nações crescem e caem.

A revista Bloomberg Businessweek desta semana destaca processo que o procurador brasileiro, Eduardo Santos de Oliveira, levantou contra a Chevron devido ao vazamento de petróleo no campo do Frade.

A empresa americana se diz chocada com o processo pois acredita ter lidado com o problema da melhor maneira possível encerrando o vazamento em quatro dias, porém foram muito criticados pela imprensa brasileira pela falta de clareza quando o vazamento foi descoberto.

Denis Palluat de Besset, Diretor Geral no Brasil da empresa petroleira francesa Total, declarou que a Chevron é simplesmente a empresa errada, no lugar errado, na hora errada, e que esse processo poderia estar acontecendo com qualquer empresa petroleira estrangeira no Brasil, devido ao clima político gerado por diferentes interesses ligados ao Pré-Sal dentro do governo. O processo contra a Chevron adiará a abertura da concorrência para a exploração do Pré-Sal para 2013, o que beneficia a Petrobrás que ainda tem grandes ajustes operacionais a fazer para poder assumir os 30% das operações ligadas ao Pré-Sal estabelecidas por lei.

A Petrobrás declarou no dia 30 de março em relatório aos seu investidores que teoricamente pode ter parte da responsabilidade nos acontecimentos do campo do Frade, e que o processo levantado contra a Chevron é exagerado.

O artigo ainda destaca que a Petrobrás apesar de ter tido vazamentos semelhantes em seus campos não é processada ou perseguida pela imprensa brasileira.

A atual Presidenta da Petrobrás Maria das Graças Foster disse em discurso na Câmara Americana de Comércio que a Chevron e a Petrobrás tem excelente parceria no Brasil, mas que a operadora precisa responder as questões oficiais.

Em 11 de abril um juiz federal negou o pedido do procurador para que a empresa interrompesse suas atividades no país. E no começo de maio os executivos da empresa ligados ao processo receberam permissão para viagens para fora do Brasil, desde que se comprometam a se apresentar quando chamados durante o mesmo.

Essas atitudes do judiciário brasileiro trouxeram alívio à Chevron e a todos que estão acompanhando este processo de perto. Esperasse que o judiciário brasileiro demonstre sua independência e seriedade no decorrer do processo que pode se arrastar por até dez anos.

Apesar da controvérsia o CEO da Chevron, John Watson acredita que a empresa não tomou as atitudes corretas em suas comunicações durante o vazamento, e declara que a empresa pretende seguir participando do mercado brasileiro.

Os jornalista responsáveis pela reportagem, Paul M. Barret e Peter Millard, observam que este processo não indica que os líderes brasileiros e os cidadão do país são contra a participação de empresas de energia estrangeiras no país.  Hoje operam no Brasil além da Chevron, a Total, a Royal Dutch Shell, a Statoil e a BP.

Os jornalistas ainda declaram que o Brasil não é a Argentina – muito obrigada – que em abril deste ano expropriou a participação da companhia espanhola Repsol no país, e muito menos o governo brasileiro pode ser comparado ao governo antiamericano da Venezuela.

O Brasil é riquíssimo em fontes de energia, porém ainda temos que regulamentar os processos de exploração e extração com muito mais rigor e controle, para garantirmos não apenas o sucesso e desenvolvimento do país, mas a segurança dos nosso profissionais, e a manutenção da nossa ecologia.