Torta de Frango com Cream Cheese

Esta torta é uma adaptação da torta de frango com massa podre tradicional brasileira que eu incrementei com cream cheese, queijo cremoso americano tipo Philadelphia.

Siga a receita deste link para massa podre, se estiver com pressa use a massa comprada de sua preferência.

Agora, o recheio é o segredo. Toda vez que faço canja de galinha eu cozinho dois peitos grandes de frango com pele e osso, juntamente com os legumes e o tempero para o caldo (a panela de pressão encurta bem o tempo de cozimento). Quando estiverem macios, retire ambos os peitos de frango da panela, desosse, descarte a pele e corte a carne em cubos pequenos. Devolva 1/3 da carne picada à panela, adicione o macarrão a ser cozido no caldo saboroso, e sirva com pãozinho francês e um bom queijo prato. Os 2/3 da carne reservados serão usados na torta.

Torta de Frango com Cream Cheese

Torta de Frango com Cream Cheese

Ingredientes:

2 colheres de sopa de azeite de oliva;

½ Kg de peito de frango cozido e cortado em cubos;

1 cebola média bem bicada;

1 colher de sopa de salsinha picada;

1 colher de sopa de manjericão picado;

3 tomates ralados em ralo grosso, ou bem picadinhos;

1 tablete de cream cheese Philadelphia ou da marca de sua preferência, mas não pode ser light.

Preparo:

Aqueça uma panela, acrescente o azeite e refogue a cebola, acrescente o frango, os tomates, a salsinha e o manjericão. Quando o refogado estiver borbulhando adicione cream cheese. Misture com frequência, e uma vez que o creme de queijo tenha derretido completamente, prove o refogado e ajuste o sal. Desligue o fogo e deixe esfriar.

Aqueça o forno a 190º C. Forre uma forma de torta (eu gosto das de vidro) com um dos discos de massa podre, despeje o recheio e cubra com o segundo disco. Use um garfo para pressionar as bordas. Bata um ovo e pincele o topo. Faça 4 cortes de uns 3 centímetros cada na massa para permitir que os vapores do recheio escapem e a massa fique assentada. Quando as bordas dourarem, após cerca de 15 minutos no forno, retire a torta do forno e forre as bordas com papel alumínio, e retorne-a ao forno por 15 a 20 minutos mais. Voilà!

Chocolate Quente


Chocolate quente, feito com pó de cacau de qualidade ou pedaços de chocolate meio amargo derretidos, é uma bebida que eu sempre adorei, mas quando mudei para Atlanta, onde faz frio de verdade, este delicioso líquido que, na minha opinião, tem o poder de aquecer a alma se elevou a patamares mais sofisticados.

Aqui, assim como no Brasil, temos as opções infantis que eu particularmente acho doces demais, mas com o detalhe charmoso dos pequenos marshmallows que são jogados na caneca sobre a bebida.
É claro que as crianças amam esse detalhe e quando chega o inverno eu abasteço a despensa com sacos de mini-marshmallows e logo cedo no café da manhã, antes das meninas saírem para a escola, eu coloco uma meia dúzia de mini-marshmallows no leite quente com Nesquik delas. Parece bobagem, mas elas acham esta uma das curtições do inverno aqui, e aos olhos delas este pequeno toque transforma o leite de todos os dias em chocolate quente, e elas se animam para enfrentar o frio matinal.

Agora, o chocolate quente que eu aprecio não tem nada de infantil. Gosto de usar cacau em pó ou barras de chocolate, e incrementar com um toque café e bebidas alcoólica, como um bom conhaque ou um licorzinho
de cacau. Hum, só de escrever já estou com água na boca.

No Brasil eu costumava usar o Chocolate em Pó Dois Frades da Nestlé, ou a barra de chocolate meio amargo, também da Nestlé. Aqui nos Estados Unidos porém, um novo universo se descortinou. As opções são muitas e maravilhosas. Entre os meus favoritos estão: o Ghirardelly Double Chocolate, o Godiva Dark Chocolate Hot Cocoa, e este ano o queridinho da casa é o recém descoberto Starbucks Hot Cocoa Classic. Todas estas opções, mesmo quando usadas simplesmente de acordo com as instruções da embalagem, que usualmente manda adicionar duas colheres de chocolate para uma xícara de leite quente, são divinas. Mas para aqueles dias que você está afim de uma indulgência especial, aqui vai uma receita incrementada, especialmente para adultos.

Em uma caneca misture uma xícara de leite integral, meia xícara de creme de leite fresco (eu disse que era uma indulgência especial), e ¼ de xícara de açúcar (para quem gosta bem docinho, se você preferir mais para o meio amargo duas colheres medidas de sopa bastam). Acenda o fogo e vá misturando os ingredientes até um pouco antes do ponto de fervura (cuidado para não entornar o leite). Apague o fogo e acrescente uma xícara de lascas de chocolate meio amargo (se você vive nos Estados Unidos, use bittersweet chocolate chips). Se não for dirigir, acrescente de uma a duas colheres de sopa de conhaque, misture bem, prove e ajuste o açúcar e o conhaque se precisar. Sirva em duas xícaras, acrescente chantili e pó de cacau para decorar. Se for dirigir substitua o conhaque por meia a uma colher de chá de extrato natural de baunilha.

Chocolate Quente a Beira da Lareira, Hum...

Num dia de frio congelante, nada como acender a lareira e desfrutar de uma bebida assim, que aquece até a alma. Se tiver boa companhia então, melhor ainda.

Dip Grego de Espinafre

Spanakopitas

 

Esta receita de dip de espinafre é uma adaptação influenciada pelas deliciosas spanakopitas, salgadinhos gregos de massa folhada recheados com espinafre e queijo feta.

 

 

 

Ingredientes:

2 colheres de sopa de azeite de oliva;

¼ de xícara de cebola bem picada;

4 talos de cebolinha picados;

2 dentes de alho picados;

1 pacote de espinafre picado congelado;

2 colheres de chá de caldo de limão;

½ colher de chá de raspas de casca de limão;

1 pote de iogurte grego (se não encontrar use iogurte natural);

½ xícara de queijo feta picado;

sal e pimenta do reino a gosto.

Preparo:

Dip de Espinafre com Pão Sírio

Descongele o espinafre de acordo com as instruções da embalagem e depois aperte-o bem para remover todo excesso de água.

Em uma panela pequena aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho por uns dois minutos. Acrescente o espinafre já escorrido e cozinhe por mais uns dois minutos, mexendo esporadicamente. Transfira o espinafre refogado para o liquidificador, e bata ligeiramente. Acrescente todos os demais ingredientes, menos o sal e a pimenta, e bata mais um pouco, até que todos os ingredientes estejam incorporados, mas não é para virar um creme. Despeje em um pote, ajuste o sal e, se desejar, acrescente pimenta do reino misturando bem. Sirva com pão sírio fresco ou torrado, e bom apetite!

Tiramissú

Uma das minhas sobremesas favoritas é o tiramissú. E, depois que aprendi essa receita, capaz de provocar brigas pelo último pedaço, ficou ainda mais fácil apreciá-la! Demora menos de 30 minutos para preparar e sempre dá certo! 

Ingredientes para 4 porções:

4 gemas de ovo

4 colh. de sopa de açúcar

500 g de queijo mascarpone

1 colh. de chá de casca ralada de limão (de preferencia do amarelo)

2 xicrinhas de expresso frio

2 cl de conhaque (na Alemanha encontra-se o Weinbrand)

2 cl de licor de amêndoas (o Amaretto)

150 g de biscoito champagne

2 colheres de cacau em pó para polvilhar

Preparo:

  1. Bata as gemas de ovo com o açúcar até formar um creme claro e fofinho. Misturar colher a colher o mascarpone até incorporar tudo. Adicione a casca ralada do limão para o toque fresco.
  2. Em uma vasilha misture o expresso frio, o conhaque ou Weinbrand e o licor.
  3. Molhe a parte de baixo dos biscoitos na mistura acima, um a um, e vá arrumando na travessa até forrar o chão todo.
  4. Espalhe mais ou menos a metade do creme de mascarpone sobre os biscoitos e alise uniformemente. Repita a operação com os biscoitos e o restante da massa.
  5. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 4 horas. Antes de servir pulverize o pó de cacau por cima.

Sugestão: quem tem crianças que também comem o doce (meu filho não gostou), pode substituir as bebidas alcoólicas por uma parte de suco de laranja diluído em água (creio que deva funcionar, nunca tentei mas em princípio combina com o sabor das cascas de limão) e usar café descafeinado para o expresso.

Agora, alguém poderia dar uma sugestão de como aproveitar as claras dos ovos que sempre sobram… :-)

Lombo ao Molho de Tequila

Esta receita eu adaptei do livro “O Segredo de Frida Kahlo” onde você poderá encontrar muitas outras receitas mexicanas.

Este é um prato bonito e apetitoso, que pode ser acompanhado do trivial brasileiro: salada mista, arroz, feijão, farofa e batatas coradas. Claro, se você preferir ser fiel a origem da receita, faça refritos com arroz e plátanos fritos. E não esqueça das tortilhas com guacamole e queso para petiscar.

Ingredientes:

Um lombo de porco de mais ou menos 1 ½ kg;

15 azeitonas verdes sem caroços cortadas em rodelas finas;

½ pimentão verde sem sementes cortado em tiras finas;

1 pimentão vermelho sem sementes cortado em tiras finas;

4 dentes de alho bem picados;

Pimenta do reino a gosto;

Sal a gosto;

2 colheres de sopa de óleo de sua preferencia;

1 xícara de água;

1 xícara de tequila “Reposado”;

1 colher de sopa de manteiga fria;

1 colher de sopa de farinha de trigo;

Molho de pimenta vermelha a gosto.

Preparo:

Aqueça o forno a 180ºC.

Lombo de porco aberto em corte borboleta, recheado, e pronto para ser amarrado.

Com uma faca afiada faça um corte no meio do lombo em todo o seu comprimento, chegando quase até o lado oposto, mas deixando as partes unidas, abrindo-o num corte borboleta. Esfregue-o com pimenta do reino e sal a gosto. Na parte de dentro do corte arranje os pimentões cortados, o alho e as azeitonas. Feche o lombo, prenda-o com palitos, amarre-o com barbante de cozinha e remova os palitos.

Aqueça o óleo em fogo alto numa panela funda grande o suficiente para acomodar o lombo. Doure completamente o lombo fritando todos os seus lados e as pontas. Transfira-o para uma assadeira (com grelha se você tiver), crescente a água no fundo da assadeira, cubra com papel alumínio e leve ao forno por 45 minutos.

Remova o papel alumínio, acrescente a tequila e volte ao forno por mais 30 a 45 minutos.

Retire do forno e coloque numa travessa para descansar enquanto você prepara o molho.

Deixe que a carne descanse por pelo menos dez minutos antes de fatiar.

Com as pontas dos dedos, misture a manteiga fria com a farinha de trigo até que formem uma pasta amarela. Transfira o caldo da assadeira para uma panela em fogo médio. Quando começar a ferver abaixe o fogo e vá acrescentando a pasta de manteiga aos poucos esperando que um pedaço se dissolva antes de acrescentar outro, mexendo sempre com uma colher de pau. Quando toda a pasta de manteiga tiver se desmanchado no molho, siga mexendo até que o molho tenha uma consistência de mingau mole. Ajuste o sal e se quiser acrescente o molho de pimenta vermelha a gosto.

Despeje o molho em uma molheira, desamarre e fatie o lombo, e bom apetite.

Se você, como eu, tem restrições a pele dos pimentões, basta assá-los por 40 minutos no forno a 220 graus, e remover a pele antes de cortá-los em tiras para rechear o lombo. Dá um pouco mais de trabalho, mas vale a pena.

Couve-de-Bruxelas ao Molho Bechamel

Couve-de-Bruxelas

A couve-de-bruxelas é rica em sais minerais, principalmente fósforo e ferro, e contém vitaminas A e C, ambas importantes para a vista e para a pele. Que ótimo! Mas como convencer os pequenos? Pois é, eu desenvolvi uma receita aqui em casa usando um velho truque francês, molho. Os franceses são famosos por seus molhos, e realmente eles complementam vários ingredientes como se fossem feitos um para o outro. Considero este o caso do molho bechamel com a couve-de-bruxelas.

Ingredientes:

½ kg de couve-de-bruxelas limpas e cortadas ao meio;

2 ½ colheres de sopa de manteiga;

2 colheres de sopa de farinha de trigo;

2 xícaras de leite integral (senão não fica cremoso, é assim mesmo, francês não economiza na manteiga e nem no leite gordo, daí as porções pequenas);

Uma pitada de noz moscada;

Sal a gosto;

150g de queijo suíço (Emmental) ralado grosso, se você preferir mais queijo, não se acanhe.

Preparo:

Pronta para ir ao forno.

Cozinhe as couves-de-bruxelas no vapor (eu uso aqueles suportes de bambu chineses) até que fiquem macias, porém ao dente (leva de dez a vinte minutos dependendo do tamanho das bolotinhas), e reserve.

Ligue o forno para aquecer a 200ºC.

Aqueça uma panela para molho em fogo médio, derreta a manteiga e adicione a farinha de trigo aos poucos mexendo sempre com um fuê (aqueles batedores com aros trançados – detalhe, o fuê não pode ser usado em panela de tefall). Você verá uma pasta amarelada no fundo da panela. Passe a acrescentar o leite, bem devagar e mexendo sempre, de ¼ de xícara em ¼ de xícara. Somente acrescente outro tanto de leite quando o anterior estiver bem incorporado. Em seguida acrescente a noz moscada e o sal a gosto (a gosto quer dizer ponha um pouco e prove até ficar bom).

Junto com arroz branco e uma saladinha, acompanha bem assados e grelhados. Só de escrever já me deu uma fome!

Em uma travessa refratária arranje as couves-de-bruxelas e acrescente o molho bechamel, misture até que todas as couves-de-bruxelas tenham uma camada fina de molho. Cubra com o queijo suíço e leve ao forno para gratinar por 15 minutos. Voilá!

Spätzle

Atendendo a pedidos, hoje vou ensinar como se prepara o Spätzle (lê-se xpetsle, no português) ou Spätzel.

É uma massa usada principalmente no sul da Alemanha, Alsácia, Áustria e Suíça e é feita a partir de batata, ovos, farinha e sal. Eu costumo dizer que é o “nhoque” do alemão. Tradicionalmente é acompanhamento para pratos de carne que têm bastante molho, como o picadinho ou o strogonoff. A minha preferida e que faço em casa, no entanto, é o chamado “Käsespätzle” – o Spätzle com queijo, típico do sul da Alemanha.

O Spätzel com queijo e cebola frita é um dos pratos favoritos aqui em casa e muito fácil de fazer

Receita para 6 porções:

300 g de batatas para purê cozidas de véspera e espremidas no espremedor de batatas (como se fosse para purê)

6 ovos

300 g de farinha de trigo

1 colher de sopa de sal

nós moscada ralada

Junte todos os ingredientes e forme uma massa. Coloque uma panela grande com água salgada para ferver. “Rasgue” tiras da massa grudenta com uma faca ou mesmo com os dedos e coloque-as diretamente na água fervente, porém com o fogo mais baixo. Espere as tiras voltarem à superfície. Remova-as com uma escumadeira e deixe-as secar. Fazer esse procedimento com o restante.

Quem mora na Alemanha tem duas opções extras para facilitar o trabalho: comprar um utensílio chamado espremedor de Spätzle (é uma espécie de prato de metal com furos grandes para fazer a massa cair direto na água) ou comprar o produto pronto em qualquer supermercado…. :-)

Para o preparo de 3-4 porções de Spätzle com queijo necessita-se:

500 g da massa Spätzle

1 colher de sopa de manteiga

150-200 g de queijo emental ralado (quanto mais queijo, mais “colante” fica)

cerca de 200 g de creme de leite fresco (o Sahne da Alemanha, quanto mais creme de leite, mais cremoso fica o molho)

salsinha

cebola frita (Röstzwiebel, que é inclusive originária da Dinamarca!)

Preparo:

Numa frigideira ou caçarola baixa derreta a manteiga. Coloque o Spätzle para refogar. Em seguida adicione o creme de leite, quando estiver bem quente adicione o queijo e mexa bem. A idéia é que fique um creme de queijo. Quando chegar a esse ponto, desligue o fogo e tempere com a salsinha e a cebola. Sirva em seguida.

Há uma variação que provei recentemente com presunto defumado refogado na manteiga e queijo gratinado por cima, ao invés de ser colocado na frigideira.

Há dois restaurantes que preparam esse prato de maneiras distintas, igualmente deliciosas, e que indico de olhos fechados:

– Restaurante Fass, em Bad Dürkheim: http://www.duerkheimer-fass.de/

– Restaurante Domhof, em Speyer: http://www.domhof.de/

Hummmm, bom apetite!

Como o aspargo é mais gostoso?

Quem já viajou de carro pelo interior da Europa no começo da primavera (abril e maio) deve ter notado certas faixas de terra, arrumadas como “morrinhos” e cobertas com plásticos brancos ou pretos. São plantações de aspargos. Eles precisam ficar cobertos para ficarem brancos, senão formam clorofila e se tornam verdes, os aspargos verdes.

Esta é a única época do ano para se comer aspargos frescos! Esse legume é a verdadeira estrela gastronômica da primavera. Acredito que explica-se essa fascinação no fato dele ser um dos primeiros legumes colhidos após o inverno do norte europeu, tem sabor incomparável e fonte de vitaminas e minerais. Curioso é que atualmente o maior produtor mundial de aspargos não fica nem na Europa… É o Chile!!!

Bem, aspargos são cultivados em várias regiões da Alemanha. Eu vivo numa região produtora, por isso encontro frequentemente barracas montadas pelos agricultores nas cidades para vender seus produtos diretamente ao consumidor: no estacionamento do supermercado, na porta das empresas, nas zonas de pedestres…. Os preços variam conforme a grossura… claro que o mais grosso é o mais caro, né?

Os restaurantes oferecem cardápios especiais e o preparam das maneiras mais criativas possíveis, é uma febre mesmo. Eu mesma já até fiz um curso de culinária para aprender a lidar com ele há alguns anos atrás.

O jeito mais tradicional de se comer aspargos brancos é acompanha-lo com batatas cozidas, presunto e molho holandês. Há quem os sirva acompanhando carne de boi ou porco, gratinado, como salada, no molho de macarrão… E com um bom vinho branco gelado é perfeito.

Como se cozinha aspargo?

Corte cerca de 2 cm do aspargo e o descasque o talo (existe um utensilio especial de uma marca chique, mas eu uso um descascador de batatas mesmo). Detalhe: a cabeça não!

Ponha água para ferver suficiente para cobri-los numa caçarola ou na panela de aspargos, que é mais alta e menos larga. Na água coloque sal, uma pitada de açúcar, algumas gotas de limão e uma colher de manteiga.

Quando ferver coloque os aspargos e deixe cozinhar cerca de 10 minutos. Retire da panela, escorra bem (ele costuma segurar água) e arrume-o no prato com os acompanhamentos!

O aspargo verde é cozido também na água com sal, açúcar e manteiga, mas não coloque o limão! Outra maneira é refogá-lo como qualquer outro legume, por exemplo o brócolis ou a vagem, pois seu tempo de cozimento é menor do que o branco.

Recentemente testei uma nova receita: refoguei os aspargos verdes descascados e a vagem com azeite, alho e cebola. Quando esfriou, acrescentei cebolinha verde e alface americana rasgadas em pedaços pequenos. Fiz um molho de salada com vinagre de maçã, azeite, mostarda e mel e misturei tudo. Com churrasco ficou ótimo! Bom apetite!

Kartoffelpuffer (bolinho de batata)

Kartoffel (batata, em alemão) puffer é uma das comidas que eu mais gosto aqui. Está certo, nao recomendada para quem quer perder peso. Eu costumo comê-lo nos mercados de Natal e nas festas populares, onde sempre tem alguma banca vendendo.

Lá vai:

–       1 kg de batatas (por aqui há inúmeros tipos de batatas, vendidos já separados nos mercados. Se você conseguir aquela do tipo para salada ou batata frita, que após cozinhar não se “esfarela” melhor porque não junta água.)

–       1 cebola

–       salsinha bem picadinha

–       2 ovos médios

–       100 g de farinha de trigo

–       sal, pimenta do reino e nós moscada a gosto

–       gordura ou óleo para fritar

Descascar e ralar as batatas no ralo grosso. Picar a cebola e a salsinha. Num pirex juntar todos os ingredientes e temperos. Observar se precisa mais farinha, não pode ficar muito líquido, nem muito duro. Colocar óleo numa frigideira (sem cobrir os “Puffer”)

Quando o óleo ficar quente, coloque para fritar e procure fazer o formato de um hambúrguer. Fritar até estar dourado e a batata cozinhar, por isso não use o fogo no máximo.

O resultado você pode ver ao lado: 

 

Retirar, escorrer e servir. Pode-se acompanhar com:

– purê de maçã, como eu fiz – eu encontro pronto por aqui, mas se você não encontrar uma boa opção é usar a papinha de bebê de maçã.

– molho de alho – “crème fraisch” de alho. Também conhecido como “sour cream”, a base de creme de leite.

– salmão defumado

Ou o que a sua imaginação lhe disser!

Bom apetite!

Meatloaf – Bolo de Carne Americano

Este prato tem aparencia rústica, mas é muito gostoso.

Esta é uma receita básica de Meatloaf, prato tradicionalíssimo aqui nos Estados Unidos, que pode ser adaptada a vários tipos de carnes.

            Ingredientes:

½ Kg de carne de vaca moída;

½ Kg de carne de porco moída (não é todo açougue que aceita moer carne de porco, se esse for o caso do seu açougueiro simplesmente use 1 kg de carne de vaca);

2 ovos;

2 xícaras de farinha de rosca grossa (eu gosto daquelas de padaria, se a padaria perto da sua casa não fizer a própria farinha de rosca, basta torrar o pão amanhecido e triturar no processador de alimentos);

2 colheres de sopa de azeite de oliva (ou outro óleo de sua preferência);

1 cebola grande bem picada;

6 dentes de alho bem picados;

3 tomates bem vermelhos sem peles picados (na pressa não se acanhe e use tomates em lata mesmo);

2 colheres de sopa de salsinha picada;

1 colher de sopa de cebolinha picada;

1 colher de sopa de manjericão picado;

½ colher de sopa de orégano picado;

Se quiser substitua as ervas frescas por quantidade menor de ervas secas, aqui também uso uma mistura pronta de ervas secas italianas, tudo depende da disponibilidade na geladeira e na dispensa. 😉

2 colheres de sopa de molho inglês;

Sal e pimenta do reino a gosto;

Opcional, molho de pimenta vermelha a gosto;

            Preparo:

Ligue o forno para que aqueça a 180º C (350 F). Em uma panela média aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho, quando estivarem dourados acrescente os tomates, as ervas e o molho inglês. Não salgue este refogado. Cozinhe todos os ingredientes por uns cinco minutos e apague o fogo.

Em uma tigela grande, coloque a carne moída, acrescente sal e pimenta do reino a gosto (eu nem uso a pimenta do reino), acrescente o refogado e misture bem. Bata os ovos com um pouco de molho de pimenta, aqui em casa uso uma colher de café de Tabasco, mas se não for sua praia não use. Acrescente os ovos à carne temperada e incorpore. Adicione a farinha de rosca, meia xícara por vez, antes de acrescentar a última meia xícara de farinha avalie a massa, dependendo de quão gordurosa é a carne você precisará ou não das duas xícaras completas de farinha. A massa deve ficar macia, com boa liga, e uniforme.

Fig. 1 - Forma Americana para Meatloaf

Se você possui forma para bolo de carne, besunte ligeiramente a parte perfurada com azeite, coloque a massa, e cubra com papel alumínio. Senão, coloque um folha grande de papel alumínio em uma assadeira retangular com a parte brilhante para cima e besunte-a ligeiramente com azeite ou o óleo de sua preferência, coloque a massa sobre o papel alumínio besuntado e ajeite o bolo de carne com as mãos e dobre o papel alumínio sobre a massa de forma que fique bem ajustado ao do bolo de carne conforme a Fig. 2

Fig. 2 - Meatloaf enrolado no papel alumínio

Leve ao forno pré-aquecido e asse coberto por uma hora, descubra o bolo de carne e volte ao forno até que fique dourado. Retire do forno e deixe que descanse por 15 minutos antes de servir.

Nos Estados Unidos o acompanhamento tradicional do Meatloaf é o purê de batatas com gravy. Aqui em casa a meninada gosta com arroz, feijão e salada.

Qualquer legume sauté também vai bem.

Meatloaf Bolinha

É um prato ótimo para se congelar inteiro ou em partes.

No dia seguinte costumo fazer sanduiches que são alegremente devorados. Simplesmente corto fatias que levo ao micro ondas cobertas com fatias de mozzarella e sirvo no pão que tiver disponível em casa com maionese, mostarda e salada. Não tem hambúrguer que vença.

Também costumo substituir a carne de vaca e porco por carne moída de peru ou frango que se encontram facilmente aqui nos Estados Unidos. E as vezes uso molho de soja no lugar do molho inglês.

Para congelar basta enrolar bem com magi-pack. Eu congelo inteiro, partes e até fatias.

Bom Apetite!